Vacina contra o Covid19: Porque é que os idosos devem ser vacinados?

Vacina contra o Covid19: Porque é que os idosos devem ser vacinados?

A incidência de casos graves de Covid19 na terceira idade tem estado a diminuir no nosso país graças ao programa implementado pela task force, um grupo de especialistas designados pelo governo para coordenar o processo de vacinação em Portugal.

Para a nossa população mais velha, a vacina contra a Covid19 apresenta inúmeras vantagens, onde se destaca a protecção contra as formas mais graves de uma doença particularmente perigosa nesta faixa etária.

Possivelmente ainda é do tempo de uma doença chamada poliomielite. Uma doença grave, que atingia sobretudo as crianças e que deixava sequelas físicas graves, como paralisias ou deformações.

Graças a programas de vacinação intensivos e esforços de profissionais de saúde e organizações não governamentais em todo o mundo, foi possível reduzir o número de casos de doentes com poliomielite. Em 2018 foram identificados apenas 29 casos… no mundo inteiro.

Muitos idosos questionam-se se devem ser vacinados contra a Covid19. Todas as pessoas com mais de 80 anos e que não tenham tido infeção por covid19 com desenvolvimento de anticorpos têm indicação para ser vacinadas.

Caso já tenha tido covid19 e haja anticorpos contra esta doença em circulação, não tem indicação, para já, para ser vacinado. É possível que esta regra se altere em breve, uma vez que noutros países já foi abandonada esta restrição.

Atualmente as três vacinas contra a Covid19 autorizadas em Portugal (dos laboratórios Pfizer-BioNTech, Moderna e AstraZeneca) têm indicação para serem utilizadas na vacinação dos mais velhos.

As dúvidas iniciais que houve relativamente à segurança da vacina AstraZeneca foram desfeitas após estudos intensivos, que revelaram que o risco de trombose é igual ao das pessoas que não tomaram a vacina, e que há mais benefícios em tomar a vacina do que não tomar.

Cerca de 61.5% das pessoas com mais de 80 anos já receberam uma dose da vacina, e mais de 30% já receberam as duas doses preconizadas (dados de 29 de Março de 2021).

Para os mais velhos e as suas famílias, a vacinação oferece uma verdadeira esperança de regresso a uma rotina mais simples, ao contacto familiar e social, tão importante e severamente reduzido há mais de um ano.

Descubra os 7 principais motivos porque é que as pessoas idosas devem ser vacinadas contra o Coronavírus neste artigo que elaborámos para si.

1 – A vacina contra a covid19 é eficaz!

Com diversas percentagens, as vacinas contra a Covid19 autorizadas em Portugal revelaram-se eficazes em 85% das dezenas de milhares de pessoas com mais de 65 anos que participaram em ensaios clínicos (que incluíram milhares de idosos com mais de 65 anos).

Além disso, verificamos no terreno a confirmação destes números por um país que rapidamente investiu na vacinação em massa da sua população: Israel. Com mais de metade da sua população vacinada e a outra metade com uma dose já administrada, Israel começa a tornar públicos os dados recolhidos pela suas autoridades de saúde.

Assim, o maior serviço de saúde público de Israel (o país tem, administrativamente, quatro serviços de saúde) revelou uma diminuição de 94% da taxa de infecção sintomática (ou seja, pessoas infectadas e com sintomas) em pessoas vacinadas com as duas doses da vacina, em relação ao grupo de controle.

A título de comparação, a vacina contra a gripe previne a doença em 40 a 60% das pessoas saudáveis, desde que contenha as estirpes circulantes nesse ano (fonte: Centro de Controle e Prevenção de Doenças – EUA).

2 – Os efeitos secundários são leves a moderados e de curta duração

Os participantes em ensaios clínicos de vacinas contra a Covid19 (dos laboratórios Pfizer e Moderna) reportaram reacções adversas de intensidade ligeira a moderada.

Os efeitos adversos da vacina contra a Covid19, reportados durante o teste e após a vacinação, incluem:

  • Dor no local da injecção
  • Cansaço
  • Dores musculares e articulares
  • Dor de cabeça
  • Febre
  • Arrepios

Na maioria das vezes, esses efeitos secundários desapareceram em poucos dias.

Em relação à vacina AstraZeneca-Oxford, os efeitos secundários são principalmente casos de síndromes gripais, muitas vezes de maior intensidade. É de salientar que estes efeitos secundários se verificaram em grupos etários mais jovens do sexo feminino.

3 – Os efeitos secundários são menos intensos em pessoas mais velhas

Em comparação com participantes mais jovens, as pessoas mais idosas que participaram nos ensaios clínicos das vacinas Pfizer e Moderna tiveram efeitos secundários em menor quantidade e menor intensidade.

No entanto, o grande benefício da vacina não é tanto o de reduzir o risco de contrair Covid19, mas evitar que a doença progrida de forma grave e possa colocar a sua vida em perigo.

Atingiu-se esta semana a percentagem de 90% de idosos que vivem em lares e estruturas residenciais que já receberam pelo menos a primeira dose da vacina contra a covid19. Quase 100% dos funcionários destas instituições já tinham recebido também a primeira dose. Os cuidadores de idosos no domicílio estão igualmente incluídos no plano de vacinação.

4 – Receber visitas em sua casa ou as saídas à rua podem ser retomadas.

Quantos mais idosos e os seus familiares forem vacinados, mais cedo será novamente seguro receber visitas na sua casa, tal como as saídas ao exterior voltam a não constituir perigo.

Considera-se que a pessoa vacinada é imune duas semanas depois da segunda dose da vacina. A partir dessa altura, o risco de contrair uma forma grave de covid fica substancialmente reduzido.

Um estudo feito na Escócia sugere que a vacinação de um membro do agregado familiar reduz o risco de infeção dos restantes membros do agregado em pelo menos 30%, podendo chegar aos 60%.

5 – As vacinas são o resultado de décadas de pesquisa

Obviamente, as vacinas contra a Covid19 são novas e foram rapidamente desenvolvidas e colocadas ao dispor dos países.

No entanto, na base da sua criação está uma tecnologia testada há décadas e bem conhecida pelos cientistas e que por isso permitiu o seu desenvolvimento tão rápido, num esforço simultâneo de milhares de investigadores dos melhores laboratórios do mundo. Após a sequenciação do genoma do vírus (ou seja, conhecer exatamente “os ingredientes” do vírus) as mesmas tecnologias foram utilizadas para criar as vacinas que estão a ser utilizadas. Nunca na história da humanidade um medicamento foi tão estudado e testado.

6 – As novas vacinas Covid19 são fáceis de fabricar

Em comparação com outros tipos de vacinas, as vacinas desenvolvidas contra a Covid19, são mais fáceis de fabricar a partir do momento em que a sua fórmula é criada. Isto significa que elas podem ser produzidas mais rapidamente, permitindo que a população seja vacinada mais cedo. O objectivo: atingir o máximo de imunidade pública, e permitir que todos nós voltemos à vida normal.

7 – A vacina pode salvar-lhe a vida!

A ciência evoluiu bastante desde que, em 1796, o médico inglês Edward Jenner criou a primeira vacina contra a varíola. A Organização Mundial de Saúde estima que a vacinação previne entre dois a três milhões de mortes por ano.

A varíola, que causou cerca de 300 milhões de mortes no século XX, foi erradicada graças ao desenvolvimento de vacinas seguras e eficazes. Da mesma forma, o Covid19 também pode ser fatal, estando em maior perigo as pessoas mais velhas ou com outras comorbilidades (ou seja, com outros problemas de saúde, ainda que estejam controlados).

A vacina é a melhor forma de evitar isso!

Referências: